quinta-feira, 25 de setembro de 2008

O lado falsíssimo do Veríssimo

E então, gente, todo mundo lendo o Tubo de Ensaio?

Outro dia, por ocasião da máquina do fim do mundo (aquele acelerador de partículas gigante), o Veríssimo escreveu um texto evocando Santo Agostinho e a curiosidade vã do homem. Deixei passar, pois não sei exatamente o que o santo de coração inquieto disse ou deixou de dizer. Mas hoje, bom, abro a Gazeta e vejo o seguinte, saído da pena do criador do Analista de Bagé:
para que os cristãos que lucrassem com juros não fossem condenados à danação eterna, inventou-se o Purgatório, de onde os pecadores saem sanados e recuperados para o céu.
Se o Veríssimo tivesse consultado a Enciclopédia Católica teria visto que, embora a doutrina sobre o Purgatório tenha se consolidado definitivamente no Concílio de Florença, a crença já era muito mais antiga, endossada pelos Padres da Igreja. Afinal, para que rezar pelos mortos se não houvesse mortos que precisassem das orações? Ora, os que estão no céu não precisam das nossas orações; os que estão no inferno, bom, não há oração que os tire de lá; então deveria haver mortos numa etapa de purificação para a qual as nossas orações seriam de proveito. Lógico, não?

Mas, claro, em vez de pesquisar é muito mais fácil acreditar na lenga-lenga que a gente leu em algum site protestante ou ateísta...

Nunca é demais uma chance de voltar à Divina Comédia. Aqui, no Purgatório, Dante conversa com o Papa Adriano V, colocado entre os avarentos.

4 comentários:

Matheus disse...

Parabéns, obrigado em nome de todos os cristãos, e nunca pare com este bom trabalho!

SANDRA NUNES disse...

Não sei como falar com vc no seu blog TUBO DE ENSAIO.
Vc viu a matéria no blog do Jorge Ferraz que um rabino atacou o Papa Pio XII?

Elizeu do Vale disse...

Eu acho interessante o seu ponto de vista sobre o pós morte, só não concordo quando você diz "Ora, os que estão no céu não precisam das nossas orações; os que estão no inferno, bom, não há oração que os tire de lá", comento que não concordo porque oração sempre é benéfica pra quem é dirigida e por quem a faz, e principalmente a quem está mais precisando dela (quem se encontra no ou num "inferno"). Mas parabéns igual pelo seu blog, o debate é sempre engradecedor. Eu sou cristão, mas não católico.
abraços

Elizeu do Vale disse...

O que eu ia comentar acabei esquecendo depois de ficar lendo os seus posts, sobre a idéia de usar o chapéu (a la Reinaldo) achei muito bom!!!